A rotina de quem estuda em NYC

Oi Gente!

Como dividi com vocês no meu insta (@manunomundoo),  finalizei mais uma etapa da da minha vida. Encerrei as aulas de inglês na ILSC NY. Foi um mês de aula, com muito aprendizado e de ritmo frenético! Provas semanais, trabalhos e no meio disso tudo ainda tive a oportunidade de viajar para New Orleans !

Mas vim aqui para compartilhar com vocês como é a rotina de quem faz o intercâmbio. Eu até gravei uns videos, que geralmente envio para a minha família e postei no Youtube como meu primeiro Vlog!

A rotina de quem estuda fora do Brasil ou mesmo da cidade pode variar de pessoa para pessoa. É um misto de querer viver tudo de novo, com encontrar suas referências. Dependendo do tempo que você tem para estudar fora, você pode planejar para viver essa experiência! Dividir os dias entre estudos e viver essa energia que é estar aqui em NYC!

Mas vamos lá:

Eu escolhi a ISLC junto com a Minha Nova York Intercâmbio, uma agência de intercâmbio do Brasil, especializada em escolas em Nova Iorque .

A ILSC fica na parte sul de Manhattan, pertinho da estação de metro. Prédio novo, com infraestrutura e professores nativos. A escola oferece um lounge para os estudantes com mesas puffes e tomadas  para conectar o telefone e computador =) Também tem uma cozinha com microondas para lanches ou mesmo almoçar. Todas as salas tem TV e o acesso ao Wifi é liberado (menos na hora da aula, né gente?).

(Já fiz 4 cursos de inglês aqui em NY, para você saber mais, leia AQUI!)

Além de estudar na escola, eu estudava em casa. Não só as tarefas, mas revisava as matérias e lia muito. Estou lendo um livro em inglês no momento também e isso tem me ajudado bastante. Mas eu também conseguia dar uma voltinha pela cidade! 

Para locomoção eu uso o metro porque aqui, funciona muito bem aqui. E em determinadas horas é a melhor opção de transporte, além de mais barata pode ser mais rápida, pois o trânsito de Manhattan é insano. Eu comprei passe de metrô semanal (no valor de 32 dinheiros de dólar), e com isso tinha o passe ilimitado por uma semana (7 dias). A escola fica super perto da Fulton Station, uma estação nova , com vários restaurantes. Ela também se conecta com a estação de World Trade Center (ótima opção saber esses caminhos no inverno e se proteger do frio!). 

O Soho é um bairro super charmoso. Um dos lugares que mais gosto de passear. As ruas são verdadeiras inspirações, não importa a estação do ano. Ver as vitrines, galerias de arte e gente bem vestida é praticamente uma regra. Próximo ao Soho está Tribeca, uma região que está se transformando rápido e abrindo vários restaurantes. É muito fácil passar de um bairro para outro sem sentir.

A região da escola tem tudo por perto: metrô, farmácias, bancos, restaurantes... foi um privilégio estar bem localizada! E bem pertinho tem na outra estação de metrô muito famosa: A estação World Trade Center ou também conhecida como Oculus. Projetada pelo arquiteto Santiago Calatrava o desenho é lindo, remete uma ave ao levantar voo abrindo as asas. Na parte interna é possível ver o One World Trade Center, e a claridade do dia penetra entre as vigas. Além de ter 11 linhas de metro e conexão com o PATH (trem de Nova Jersey), a estação também funciona como um mall (shopping), com várias lojas, como Sephora, Vitoria Secrets, Apple Store, entre muitas outras!

Bom, espero que tenham gostado desse post e até o próximo!!

=)

 

 

Como estudar inglês em NYC: 4 maneiras

Oi Gente!

Para quem está me acompanhando pelo Instagram (@manunomundoo), tem visto que voltei para as salas de aula para aperfeiçoar o meu inglês. E como tem muita gente interagindo pelo Insta e fazendo perguntas de como estudar inglês em Nova Iorque, eu resolvi criar esse artigo aqui no blog e também fazer um vídeo no meu canal do YouTube (Manu Muniz / Manu no Mundo).

Recapitulando: Eu moro no Brooklyn, NYC tem dois anos, com o meu marido que é americano. Quando eu cheguei aqui o meu inglês era muito básico, no estilo "The Book is on the table". Comecei a estudar inglês, e posso dizer que isso me ajudou (e muito) no meu processo de adaptação. As aulas fizeram com que eu me tornasse mais segura para viver a minha nova rotina. Tive a oportunidade de estudar em 4 instituições diferentes e vou compartilhar as minhas experiências aqui com vocês:

1. NYPL

Essa é a sigla para a New York Public Library, ou Biblioteca Pública de Nova Iorque. Foi o meu primeiro contato com a língua americana aqui na terra do Tio Sam. As aulas são gratuitas e são divididas pelas estações do ano. Tive a oportunidade de estudar durante duas temporadas: outono e inverno.  

Apesar de oferecer aulas gratuitas, a instituição é bem organizada. Há um controle de presença, não é permitido atrazo, há muitos exercícios para fazer e prova de conclusão. São duas aulas por semana com 1h 30min cada. Os professores são nativos e as aulas acontecem na Biblioteca. Eles não pedem nenhum documento para a sua inscrição nas aulas (ou seja, não é preciso o Visto de Estudante), apenas solicitam seu comprometimento. E se você faltar mais de 2 vezes, está fora da próxima turma.  

Para quem não sabe, existem vários prédios da Biblioteca de NY espalhados pela cidade (e não só aquele prédio lindo no Bryant Park). Para se matricular nas aulas, é preciso ir à Biblioteca e se inscrever e depois passar por uma avaliação que vai determinar o seu nível, depois a Biblioteca te indica para o endereço mais próximo da sua casa e que tenha o seu nível. Todos os anos há uma data certa para o inicio das aulas, então vale conferir a grade de horário no site da NYPL AQUI.

 

2. Internacional Center

Descobri esse curso online e fiz a aplicação no site deles. Havia uma lista de espera para poder frequentar as aulas e quando surgiu a vaga, recebi um e-mail com o horário e dia para a minha entrevista de nivelamento de turma. A estrutura do Internacional Center é bem parecido com a dinâmica da Biblioteca Pública de Nova Iorque, com aulas gratuitas em grupos de diferentes níveis. Mas aqui existe uma programação de aulas com assuntos específicos, como por exemplo História, Arte, Gramática e Vocabulário. E resistentes permanentes (com o Green Card), possuem uma vantagem sobre os demais inscritos.

Além disso, é possível fazer aulas particulares de conversação com voluntários que são nativos da língua, mas nem sempre são professores. Para essas aulas, é pedido uma ajuda de custo de 10 dinheiros de dólar por hora. A minha instrutora no caso, trabalhou na biblioteca da Universidade de Columbia, e me corrigia direto. Essas aulas são agendadas de acordo com a sua disponibilidade e a do seu instrutor.

O Internacional Center contribui para a adaptação dos imigrantes em Nova Iorque, e tem várias atividades de integração com a cultura, não só turismo, mas pique-nique, happy hour entre outras. O prédio fica localizado no Centro Financeiro de Manhattan e o site para mais informações está AQUI.

 

3. Baruch Collage

O Baruch Collage é uma das instituições que fazem parte do grupo de universidades que formam as Universidades da Comunidade, ou Community Collage. São universidades que oferecem cursos com um valor mais acessível que as grandes universidades conhecidas mundialmente. Mas o fato de ser mais acessível não quer dizer que seja gratuita. Fiz um investimento grande (em torno de 3mil dinheiros de dólar), para poder estudar durante um semestre, o que na verdade aqui eles chamam de temporada e no meu caso eu fiz no inverno de 2017 : janeiro, fevereiro e março. Clique AQUI para saber mais, e depois clique em ESL (English as a Second Language - Inglês como Segunda Língua).

Foi um tempo que me dediquei muito, com aulas de segunda à sexta-feira das 9am à 1:30pm e durante duas vezes na semana com aulas no período da tarde que iam até 3:40pm. Durante esse tempo eu senti o ritmo americano, com intervalos curtos entre as aulas, toneladas de trabalhos para fazer em casa e cobrança.

Mas o resultado foi recompensador! Receber elogios de que meu inglês havia melhorado, sentir mais segura ao falar, em algumas situações não saber o certo, mas já notar o que estava errado, para mim não tinha preço. Para realmente sentir um avanço das minha fluência em inglês eu me esforcei para falar português duas horas por dia. Esse truque me ajudou a mergulhar com tudo no inglês e superar meus limites. Foi duro, mas eu colocava o cronometro e falava com os amigos e familiares do Brasil com tempo certinho =)

 

4. ILSC NYC

Mesmo completando 2 anos de Estados Unidos e de ter feitos esses cursos eu sentia que precisava melhorar o meu inglês, por isso pesquisei uma escola que fosse próximo da minha casa, que fosse com uma bola relação custo benefício e claro: que tivesse aulas durante o período que eu não fosse viajar. Falei direto com o Adriano, que me ajudou e ajuda o tempo todo.

A ILSC é uma escola de idiomas com várias unidades pelo mundo e a minha escola fica em Manhattan no coração financeiro, pertinho do One World Trade Center. A localização para mim fez toda diferença, pois fica apenas 20 minutos de metro da minha casa, 5 minutos andando da estação de metrô Fulton.

As minhas aulas foram agendadas para a parte da tarde, começando a primeira aula às 1:20 pm e a segunda 3:20 pm. Os professores são nativos, com formação e treinamentos para ensinar o idioma americano além dos livros, tornando a aula dinâmica. Usamos textos e situações do dia-a-dia para aprender expressões, gramática, vocabulário e praticar a falando. Tenho avaliação de provas toda semana, trabalhos para apresentar e também há outros dois pontos contam para a sua avaliação: pontualidade e participação em sala. 

O investimento foi em torno de 600 dinheiros de dólar para um mês de aula e inclui o livro didático.

 

Bom, essas foram as minhas experiências com cursos de inglês. E posso dizer que foram experiências que me ajudaram muito no processo de adaptação. Eu espero que vocês tenham gostado e caso tenham mais algum detalhe que vocês precisam, é só escrever para mim!

 

Um beijo,

Manu =)

 

230 Fifth Rooftop, a melhor vista de NYC

Gente: imagina um lugar incrível!! Então vem comigo para saber mais!

Já estava na minha wish list (lista de desejos) tinha tempo ir ao 230 Fifth Rooftop. Logo nas primeiras semanas que vim morar aqui, passava em frente da entrada depois da medição e falava que ia... mas sempre deixava para depois. Finalmente fui e não poderia ter sido em um momento melhor com pessoas incríveis que me deram muito apoio para continuar escrevendo! :-)

Como mostrei no Instastories (@manunomundoo), o Rooftop fica na 5th Ave com acesso fácil, próximo ao Madison Square Parque e tem essa vista linda! É um espaço aberto com bar para drinks e petiscos. É possível fazer reserva e pegar mesas com cadeiras ou mesmo sentar em um dos sofás!

Durante as estações mais frias, há aquecedores e tipo um roupão para ajudar a driblar o frio. A entrada é gratuita e você só paga o que consumir. Aos domingos um delicioso brunch com 30 dinheiros de dólar (para comer o que quiser) e bebidinhas à parte! 

Vale a visita para ver a skyline de Manhattan e aproveitar um dos lugares mais charmosos da Big Apple! 

 

Mais informações:

Site: www.230-fifth.com

Link no Google Maps

Endereco: 230 5th Ave, New York, NY 10001, USA

Telefone: +1 212-725-4300

 

A primeira vez em NY

Viajar é bom e todo mundo sabe! Acontece que um casal de baianos muito especial estava comemorando 10 anos de casados com o objetivo de celebrar em uma viagem. Com a oscilação do dólar o destino escolhido foi Buenos Aires, Argentina.

Até que uma promoção imperdível de passagens aéreas (2 passageiros, ida e volta R$1040,00) mudou o destino para New York. Foi muito bom fazer parte desse momento especial mais que isso, foi muito divertido! 

Felipe mandou uma mensagem falando "Manu, fiz uma loucura, comprei uma passagem baratíssima para NY e estamos indo. É uma data especial, Ge e eu vamos comemorar nosso aniversário de casamento ai. Vamos dar um jeito nesse dólar!" E foi realmente o que aconteceu.

Ajudei que encontrassem uma boa hospedagem pelo Airbnb em um local que tivesse acesso ao metro. Apesar de estarem realizando um sonho, com o dólar alto o foco da viagem era conhecer a cidade e tentar economizar. O foco não foi em compras. Mas eles adquiriram algumas coisitas imperdíveis e até foram à um jogo de basquete! Planejando tudo acontece.

Depois que eles me passaram o que queriam fazer e conhecer na cidade foi a vez de auxiliar para que cada dia tivesse o máximo de aproveitamento, levando em consideração que estava outono, anoitecendo cedo e bem frio.

 

Dia 1

A chegada foi pelo aeroporto internacional JFK, e pegaram o trem até a hospedagem. Compraram o cartão de metrô válido por 7 dias (US$ 31,00 - compraram um para cada, total US$ 62,00). A viagem durou aproximadamente 1h 30min até o Brooklyn onde se hospedaram, tomaram um banho e fomos andar! De metrô, fomos do Brooklyn à Manhattan, até a estação Bowling Green, onde puderam ver o Búfalo e tirar a tradicional foto com a mão no saco (!), na superstição de atrair dinheiro. Estava bem vazio e foi fácil fotografar =)

Depois andamos até a Wall Street, até chegar no Memorial 11 de setembro. Mais uma vez pegamos o metro e fomos até a the High Line e vimos um casal celebrando e fotografando um casamento! Como era pertinho,  fomos para o Chelsea Markt comer um Hamburger delicioso no novo restaurante Cream Line. Vale a pena provar com o refrigerante de frutas vermelhas. Para fechar esse grande dia, fomos para a Times Square! Luzes, brilhos, algumas lojas e ai bateu o cansaço nos nossos viajantes e fomos para casa.

 

Dia 2
Amanheceu nublado... mas nada de ficar triste! Foi só trocar um pouco a programação.
O casal foi direto conhecer a Grand Central Station, depois andaram pela 5 Av., foram ao Rockfeller Center (mas não subiram pelo mal tempo), conheceram as lojas com a decoração linda de natal, a Catedral Sant Patrick, até chegar ao Central Park! Também encontraram a palavra LOVE (que fica na 7th avenida com a 72 Street). E terminaram o dia novamente na Times Square =)

 

Dia 3
Dia lindo, limpo e de sol, então a primeira parada: Top of Rock!
Depois andaram pela 5th e 6th Avenida... visitaram as lojas M&M, Nike e Apple store. O destino seguinte foi Atlantic Terminal Mall onde possui várias lojas, como Target, Best Buy, Marshalls, Burlington.

 

Dia 4
Mais um dia de sol, um pouco frio, mas sol. Dia ideal para conhecer a Estátua da Liberdade! Fomos até o Battery Park comprar os tíquetes (US$ 18,00 cada), que dá direito a conhecer a ilha onde a estátua está. Não fizemos a reserva para subir na estátua, ficamos apenas na ilha, e fizemos o tour guiado gratuito com o audio. Depois seguimos para a Ilha Ellis, ponto de chegada dos imigrantes. Foi um passeio muito especial. Ter a oportunidade de ver a Sky Line (arranha céu) com os prédios de Manhattan. Também foi o meu primeiro momento lá e com certeza um dia de aprendizado e emoção.
Seguimos depois para ver o por do sol em um restaurante na região Portuária, de frente para o Brooklyn e para a ponte do Brooklyn. E terminamos a nossa noite na Century 21, com algumas comprinhasUma dica: há muitos vendedores ambulantes nessa região tentando vender diferentes tipos de tour. Saia de casa já com o tipo de passeio que você quer fazer. Alguns vendedores quase impediram a nossa entrada no parque (!!) alegando que só poderíamos entrar com os ingressos comprados. Eles usam coletes e crachá mas caso tenha alguma dúvida, você pode pedir ajuda à um policial.

Dia 5
O dia começou com visita ao Museu de História Natural. I valor do ingresso na verdade é uma sugestão de doação no valor de US$ 22,00, mas você pode pagar o quanto quiser, como por exemplo US$ 1,00. Saindo do museu foram para o Central Park, para as tradicionais fotos nas pontes, lagos e no memorial Imagine, o prédio do John Lenon.
De noite foram ver o jogo de Basquete no Barcley Center, no Brooklyn. Está aberta a temporada de esportes e há ingressos para todos os bolsos, variando de 25 a 300 dólares!

Dia 6
Último dia de viagem e conheceram a Ponte do Brooklyn e fizeram algumas compras nas lojas de departamento e lembrancinha para a família e amigos. Foram para o aeroporto de metrô novamente sem stress!