Viajar Sozinha - Libertador

Depois de ter ficado alguns anos sem férias, escolhi o meu destino em uma promoção de Black Friday da TAM. Comprei as passagens e depois eu fui ler sobre o destino: Chile. Apesar de procurar companhia não consegui encontrar alguém que tivesse férias na mesma época e que quisesse ir para o mesmo lugar. Conclusão:  resolvi fazer essa viagem sozinha. E posso dizer: foi libertador!

Meus pais e amigos me apoiaram e em momento nenhum tive medo, pelo contrário! Quando você viaja sozinha pode fazer o que quiser, quando quiser e como quiser.

 

O preparo para a viagem foi diário! Lendo sites, revistas, escolhendo os passeios, hospedagem e transporte. E claro, os amigos ajudaram criar mais coragem! Tudo isso, me fez mergulhar em uma expectativa que na verdade não chegou aos pés da emoção de viajar sozinha para o deserto. Defini o momento do embarque como "Borboletas no estômago".

Planejando a Viagem

Mesmo os contra tempos, mesmo quando Manuzei* foi muito leve, divertido e autoconhecedor. Na minha mala foram roupas, caderno de anotações, livro, maquina fotográfica. E na minha mala voltou muito mais que isso. Voltou a experiência de poder ficar quieta sem falar com ninguém ou se aproximar e fazer uma amizade durante um almoço ou passeio.

 

As pessoas perguntaram se me senti sozinha, minha resposta junto com um sorriso é: "Não! É maravilhoso!"
Para as fotos, usei o timmer da máquina ou o famoso selfie. Para o transporte contratei todos do Brasil, muito bem recomendados e a hospedagem também, tanto de amigos como de sites de viagens.

Voei do Rio de Janeiro para Santiago em um voo direto e já no aeroporto no momento de despachar a mala o atendente me falou que não estava localizando meu nome (!), mas como cheguei cedo ao aeroporto, e eu estava com a passagem impressa (ainda não existia o aplicativo), tudo foi resolvido. Em Santiago, após passar na imigração esperei 2 horas para o segundo voo, com o destino final de San Pedro do Atacama. Houve um atrazo nesse voo de mais 3 horas, mas mesmo assim, fiquei tranquila. Sentei em frente ao portão com o meu livro sobre o Chile e o meu livro de viagem (sempre que viajo levo um livro).

Dei preferência para ficar hospedada em Hostel, e foi uma das melhores escolhas. Tenho contato com pessoas que conheci até hoje, quase 4 anos depois! O transfer no Atacama foi contratado daqui mesmo do Brasil, o que foi maravilhoso pois estava previsto de chegar ao Hostel às 19hs, mas só cheguei às 23:30.

Para os passeios eu sentava na frente com o motorista, com o privilégio de uma visão encantadora. Para as refeições, saia de um tour e conversando com algumas pessoas do grupo e já combinávamos um restaurante antes de voltar para o hostel ou já tinha feito uma reserva. Teve dia que resolvi jantar com as pessoas abstrair a reserva... mas também teve dia de querer jantar sozinha.

 Anfiteatro - Valle de La Luna

Anfiteatro - Valle de La Luna

No fim, aprendi que ter essa oportunidade incrível de mergulhar nos meus pensamentos e observar de um novo ângulo o mundo, as pessoas, os lugares e a cultura diferente, fez parte de um crescimento e amadurecimento que é só meu.

Experimente, tente.
Pode ser antes de namorar, ou após o namoro. Pode ser antes do casamento e dos filhos ou mesmo um tempo para você sair da rotina de casa e se encontrar, se reorganizar. Nem que seja um fim de semana, um dia. Tenha essa experiência.